A inteligência artificial no varejo offline

A inteligência artificial no varejo offline

A inteligência artificial está claramente deixando marcas no varejo online e no mercado de e-commerce em geral. Devido à natureza quantitativa e rastreável das atividades realizadas em websites, o volume e a riqueza de detalhes dos dados de e-commerces os transformam no ambiente perfeito para a utilização de AI.

Não é surpresa que a Amazon seja a grande líder de estratégias e utilização de inteligência artificial mundialmente. O volume de dados gerado por usuários logados no site — como por exemplo as compras, os carrinhos, os clicks, as buscas e os dados de navegação — é gigantesco e possibilita a segmentação e personalização da jornada de compra a nível individual.

As lojas físicas de varejo não tem as mesmas vantagens: os dados disponíveis não são fáceis de acessar, atualizar e analisar. Ao mesmo tempo que a inteligência artificial está pronta e disponível em muitos aspectos da indústria de varejo online, as soluções focadas em atender o varejo offline são geralmente caras e apresentam baixo retorno sobre investimento.

Entretanto, isso não significa que os varejistas ficarão fora do jogo por muito tempo. Pode levar alguns anos, mas as lojas físicas passarão a adotar as mesmas estratégias que os e-commerces utilizam hoje no ambiente digital. Para isso, será necessário ter, também no mundo real, uma enorme quantidade de dados para avaliação e tomada de decisão.

Nesse post vamos falar sobre algumas maneiras que as lojas físicas poderão, muito em breve, utilizar a inteligência artificial para se relacionar melhor com o cliente.

Recomendação de produtos dentro das lojas

No futuro, muitas empresas serão capazes de se relacionar com os clientes encorajando-os a criarem uma conta. Como você pode ver no exemplo da Amazon, criar uma conta pode ter muitos benefícios. São pouquíssimas as pessoas que, ainda hoje, preferem navegar no site da Amazon sem se logar. Isso acontece porque a empresa oferece evidências claras de que o benefício de se estar logado é muito grande para o cliente. Você pode receber recomendações de produto, armazenar dados de pagamento para fazer a compra em um click, e por aí vai. Sua experiência passa a ser personalizada e natural, você praticamente não percebe.

Os varejistas te incentivam a criar contas para que você possa ter acesso a benefícios e economizar tempo.  Mas é claro que eles também se beneficiam desse fato, afinal quanto mais dados ele conseguir mais fácil será de entender suas preferências para vender mais. No Brasil ainda temos uma barreira importante, mas que logo será derrubada: as empresas, em geral, ainda utilizam suas informações para enviar e-mails e spam do jeito que bem entenderem, o que acaba desmotivando os consumidores a cederem seus dados.

O benefício de cadastros integrados

Algumas redes de varejistas dos EUA já estão se beneficiando de uma estrutura única de cadastro para os diversos pontos de venda, sejam eles o e-commerce, as lojas físicas ou os aplicativos. Muitos já oferecem entrega gratuita em lojas que você costuma frequentar ou que ficam perto do seu endereço de cadastro. A AMARO é um exemplo muito bom dessa prática no Brasil, já que suas lojas são apenas guide shops e não possuem estoque: você compra tudo online e pode retirar em uma de suas lojas ou receber em casa.

Ao invés de se logar em um site, você provavelmente passará a se logar em aplicativos ou será identificado por sensores na entrada da loja. Através do seu smartphone, o sistema da loja pode identificar que você entrou no perímetro da loja (ou de um shopping), o que possibilita que você receba recomendações sobre produtos que viu no site ou aproveite promoções de categoria do seu interesse. A utilização de informações de navegação online pode otimizar a experiência do cliente na loja física de diversas maneiras.

Recomendações e campanhas fora da loja

Estratégias de marketing reforçadas com inteligência artificial também podem ajudar os profissionais de marketing a direcionar a comunicação de modo apropriado fora da loja. Ainda utilizando os dados da conta do cliente, um programa de marketing pode determinar a melhor maneira de abordar as pessoas utilizando certos comportamentos de compra e padrões dentro da loja. Essencialmente, essas estratégias tratam-se de aplicar padrões comportamentais a clientes semelhantes com o objetivo de prever seus interesses quando eles ainda não são claros.

Atraindo clientes para as lojas ou entregando em casa

Com um sistema de recomendação como esse, os varejistas podem lançar campanhas que incentivem o usuário a visitar alguma loja física. Seja com anúncios de novos produtos, descontos exclusivo para aquele cliente, naquela região ou apenas notificações de que o produto que ele viu e gostou no site está disponível no tamanho dele, em determinada loja.

Se ainda assim o cliente não demonstrar interesse ou disponibilidade para ir até uma loja física, uma opção é estender as ofertas, por tempo limitado, para compras no e-commerce, ou então oferecer entrega gratuita para determinadas peças.

 

À medida que a tecnologia ultrapassar a fronteira do mundo digital, os varejistas terão mais flexibilidade e oportunidade para utilizar inteligência artificial no atendimento presencial a clientes. As aplicações de IA já estão, há algum tempo, surgindo no mundo offline e não levará muito tempo para que ela passe a fazer parte do nosso dia a dia.

Quer saber mais sobre o uso de inteligência artificial no varejo? Inscreva-se na nossa newsletter e fique de olho nos novos posts que vem por ai! E se você gostou das nossas dicas neste post, compartilhe com os seus amigos e ajude nosso blog a crescer (:

Tecnologia

Graduado em Ciência da Computação, começou a atuar na área de marketing e tecnologia aos 13 anos, quando criou seu primeiro site que, meses depois, bateu a marca dos 50 mais visitados do Brasil. Aos 17, fundou sua primeira empresa, a Bookess, considerada meses depois umas das 10 melhores editoras virtuais do mundo. Na Rocket Internet, trabalhou na expansão de iniciativas tupiniquins e gringas. Hoje, com mais de 10 anos de experiência, já programa de olhos fechados, fala como um publicitário e é apaixonado por empreendedorismo.

Simple Share Buttons
Simple Share Buttons